Página PrincipalAcesso para clientesContato: Fale ConoscoQuem Somos


Olá Visitante, bem vindo ao Site
Cadastre-se aqui e conheça nosso trabalho


Categorias
PROMOÇÕES
DVDS
» Coleções
» Todos
E-BOOKS
» Geral
LIVROS
» Astrologia
» Autoconhecimento
» Biografia
» Budismo
» Cabala
» Chakras
» Ciência
» Comentários aos Vedas
» Contos
» Cristianismo
» Culinária e Cozinha Vegetariana
» Esoterismo-Diversos
» Espiritualidade
» Espiritualismo
» Filosofia
» Filosofia Mística
» Geral
» História e Mitologia
» Maçonaria
» Mandalas
» Meditação
» Nova Ciência
» Ocultismo
» Parabola Teosofica
» Política-Espiritualidade
» Psicologia
» Religião Comparada
» Romance Ocultista
» Sabedoria Oriental
» Saúde
» Taoísmo Filosófico
» Teosofia
» Vedanta
» Vedanta-Advaita
» Vegetarianismo
» Yoga
» Zen
REVISTAS SOPHIA
» Assinaturas
» Edições Avulsas
» Conheça a Revista Sophia
» Baixe gratuitamente em dowload
» Artigos - Revista Sophia


EDITORA TEOSÓFICA

EDITORAS PARCEIRAS
» All Print Editora
» Bertrand Brasil
» CLUC - Centro Lusitano de Unificação Cultural
» Editora Aleph
» Editora Ave-Maria
» Editora Best Seller
» Editora Ground
» Editora Omnisciência
» Editora Pensamento-Cultrix
» Editora Vozes
» Folium Editora
» Grupo Editorial Record
» Imprensa Livre
» Nova Era
» Nova Letra - Gráfica&Editora
» Oriom Editora
» Palas Athena
» Summus Editorial Ltda.
» Thesaurus Editora
» União Planetária
» Verus Editora
» Viva Livros

CATÁLOGO DE PRODUTOS

O carnaval está chegando.... Cores, paetês e muito brilho.... Que tal aproveitar o descanso do feriado com uma boa leitura dos nossos livros e ainda ganhar um desconto de 25%?

Artigos - Revista Sophia

Amar, verbo intransitivo

Walter Barbosa

Resumindo em uma só lição o mistério do Universo – talvez porque seja a lição maior – o amor pode libertar ou prender, elevar ou diminuir, dependendo de como se manifesta em nós. Isso fica claro no belo texto da jornalista Carla Maiolino, a seguir.

Amor, segundo o dicionário, é um substantivo masculino e abstrato. Nessa perspectiva, ele se encaixa muito bem no amor derramado nos livros e filmes românticos ou dramáticos que temos disponíveis. Aceita perfeitamente a áurea onírica, idealizada ou religiosa em que nos acostumamos a envolvê-lo. Explica as diversas frustrações, tragédias e desequilíbrios causados em seu nome. Estimula a busca incansável pela alma gêmea, pela felicidade, pela satisfação, pelo prazer.

Esse amor é algo que não diz respeito às grandes verdades da alma, pois nasce do medo. Medo da solidão ou do julgamento. Esse amor cria o sentimento de separatividade, que em sua mais fanática expressão nos leva ao isolamento em seitas, grupos ou castas.

Aprendemos com a nossa professora de português que amar é um verbo – portanto ação – e que o sentido precisa ser complementado para que haja clareza na mensagem transmitida. Nós nos acostumamos a revestir o amor das formas mais variadas. Amamos com os sentidos as mais variadas coisas, aquilo que achamos possuir, acreditar ou defender.

Embotados pelos sentidos, acreditamos que o amor, aquele amor que precisa de complementos, é o que nos trará a felicidade. Acreditamos que Deus nos ama com algum complemento, algum adjetivo. Por fim, percebemos que esse amor nos torna menores. Então descremos do amor e nos frustramos.

Na ótica em que pretendemos analisar a ação de amar, usaremos a licença poética de Mário de Andrade que, desafiando os gramáticos, declarou: “Amar, verbo intransitivo”.

Amar, como condição básica para a jornada da alma, é um verbo que encerra em si o sentido completo de sua escolha. Se declaro: “Amo!”, apenas amo.  Não é uma declaração fácil, ou simples, mas a partir dessa escolha não há fronteiras, pois quem ama, simplesmente ama, longe de qualquer separatividade, com total abandono do EU.

Amar assim é fazê-lo com inteireza de alma. Não estou falando de amor. Falo de amar como força geradora de tudo aquilo que se manifesta nos mundos aparente e invisível. Tudo o que existe é projeção do profundo amar de Deus.

A Cabala nos ensina que Deus – amando profundamente sua criação antes mesmo que ela existisse – primeiro a abençoou, depois escreveu todas as coisas no Livro da Vida as quais em continuação foram formadas. Somos reflexos do amar divino.

Fomos criados à imagem e semelhança de Deus. Se compreendemos que ele é puro amar, nos conscientizamos de que nosso destino também é amar. Ansiamos profundamente nos fundir com Deus no amar. Simplesmente amar como o pulso que sustenta toda a criação, nos tornando cocriadores do reino de Deus na Terra.

Amar intransitivamente. Esse é o porto de chegada de nossa jornada da alma. 

ATIVIDADES – Práticas de Yoga Clássico. Curso “Introdução à Teosofia” (16h00) e palestras públicas (18h00) aos sábados, na Rua Pernambuco, 824, S. Francisco. No site www.educbesant.org.br acesse o Fórum de Mães & Pais. Contatos: (67) 9988-1010. 

Texto retirado da Revista Sophia edição 44

Artigos - Revista Sophia / Amar, verbo intransitivo


 
 
Acesso para Clientes

Cadastro
Área do Cliente
Atualizar meus Dados
Meus Pedidos
Indicar para um amigo
Adicionar aos Favoritos

Atendimento
Informações e Televendas:
0800-610020

Contato



Os preços, as promoções e as condições de pagamento apresentados neste site podem ser atualizadas a qualquer momento. As imagens apresentadas neste site são meramente ilustrativas. Asseguramos enquanto durarem nossos estoques. Editora Teosófica - Todos os direitos reservados
Editora Teosófica, com sede na SIG Sul Qd. 6 Lt. 1.235 (Atrás da Imprensa Nacional) - Cep. 70.610-460 - Brasília-DF
Inscrita no CNPJ sob o nº 32.901.910/0001-31, IE: 07.323.158/001-62 - comercial@editorateosofica.com.br
- by Luís Alberto Costa - SEO